Blanca Suárez é a estrela da capa da nova edição da revista Mujer Hoy, para a qual falou com exclusividade sobre as tendências de inverno, sua carreira, a volatilidade da fama e mais. Confira a matéria traduzida, assim como os scans e fotos, abaixo:

“Me transformar em outra pessoa me ensinou a descobrir quem sou.”

A atriz aspira a uma vida normal nestes tempos de Instagram e obsessão pela imagem. E ela mostra que a chave da sua beleza está nos detalhes.

Blanca tem em pessoa aquela beleza natural que parece ser respirada em seu passo. Seus olhos não são apenas enormes e amendoados. Nem a arquitetura simétrica da sua estrutura facial. Nem a linha perfeita e desafiante do seu arco cupido, vestido de carmim sob o véu de Rouge G by Guerlain, cujo batom ela é a imagem e para o qual acaba de desenhar uma embalagem com ondas de mar e reminiscências japonesas. De fato, o seu sorriso radiante e contagioso pesa mais na articulação estética global do seu rosto, com qualidades para iluminar por si só uma auto-estrada numa noite sem lua.

Que tudo é simples e fácil com ela é um plus que é apreciado em tempos de divismos instantâneos e egomania fotográfica. Com Blanca tudo é tão simples como os seus truques de pintura labial: “Passo o batom e pronto. Como meus lábios já são largos e definidos, não preciso contornar a boca e nem preciso de pincel”. Ou sua abordagem vital: “Com a tecnologia, perdemos um pouco de vida”, diz ela. “Me surpreendo a descer a rua sem olhar para cima a partir do celular. Tento estar mais consciente de tudo à minha volta.”

“Tudo o que se fala nas redes é volátil, mas o que eles dizem sobre você fica com você.”
Porque Blanca Suárez, que é enorme (não se esqueça) em uma profissão em que trabalhou com os sobrenomes mais ilustres (Almodóvar, Cuerda, De la Iglesia), escolheu se sentir normal em sua própria vida.

Quando você está cercada pela fama de ser a protagonista da série de televisão mais assistida do nosso país, e acumula quase quatro milhões de seguidores no Instagram, você pode acabar dando importância a coisas que, na opinião deles, não têm importância. “Como tudo que se tem acesso. Mas nem você é tão importante, nem o que você faz é vital para ninguém”, explica. “Eu quero viver em absoluta normalidade porque já vi o oposto em pessoas com quem me deparei e sei que não quero ser assim.” Ou bonita demais, que também leu comentários nesse sentido. “Pode participar da conversa, mas só até certo ponto. Como você se relaciona em casa e com as pessoas que sempre conheceu: essa é a verdadeira pessoa que você é.”

Ela está muito clara quanto a isso. Assim como aquela vocação interpretativa que surgiu quando ela tinha apenas sete anos de idade, porque ela seguiu seus amigos para uma escola de teatro. “Eles se divertiam tanto que eu quis me inscrever também.” Uma década depois, se tornou protagonista de El Internado e iniciou uma carreira em que se alternou entre cinema (acaba de filmar El verano que vivimos) e televisão (estreou a quarta temporada de Las Chicas del Cableem agosto). “Atuar me fez descobrir quem sou. Entendi quem sou através do trabalho. Para me tornar outra pessoa, descobri aspectos de mim mesma que não sabia que existiam”, conclui.

Rouge G: sua primeira incursão no design.

O Japão tem um significado muito especial para Blanca Suárez. “A forma como combinam a arte clássica com a estética moderna é excitante para mim”, diz ela. É por isso que ela se tornou a inspiração para sua primeira colaboração criativa: ela projetou pessoalmente uma embalagem para o Rouge G da Guerlain, o batom com capas intercambiáveis do qual ela é embaixadora e que ela garante que ela sempre carrega em sua bolsa (“um bálsamo para a vida cotidiana e em um vermelho intenso para elevar o espírito”).

A edição limitada, #RougeGbyBlancaSuarez, chama-se Nami, que significa onda, e faz parte da gravura mais famosa de Katsushika Hokusai. “Isso me impressiona, através de traços delicados e sutis, o artista é capaz de transmitir uma força incessante em constante movimento”, explica. O mar, sua outra paixão, também está presente. “Eu sempre acreditei que, junto com o efeito purificador do sal, limpa tudo em um processo de renovação contínua”.

Fonte: Mujer Hoy

Tradução & Adaptação: Equipe Blanca Suárez Brasil